sábado, 21 de agosto de 2010

Produtos oferecidos pelo "Procurando os Perdidos"

Graça e paz a todos!
O “Projeto Procurando os Perdidos- (PPP)” está iniciando uma nova fase que é a impressão em maior escala de folhetos evangelísticos.
Para os que nos acompanham desde o inicio, há mais de 1 ano, não é novidade o fato de que um dos projetos idealizados por nós é a manutenção de projetos evangelísticos urbanos e ajuda no sustento de missionários que atuam no campo dentro e fora do país.
Apesar de estarmos vinculados ao ministério de missões de nossa Igreja, o “PPP” sempre caminhou com recursos próprios. Quando expusemos nossos anseios, alguns irmãos sugeriram que estudássemos a possibilidade de recebermos ajuda financeira através de ofertas voluntárias que seriam depositadas em uma conta bancária. Excluímos essa possibilidade na época e entendemos que ela não deve ser aventada ainda hoje, pois queremos ser fiéis aos nossos ideais de nos sustentarmos com recursos advindos do material que produzirmos.
Os produtos abaixo têm essa finalidade.
Os valores levantados com a venda desses produtos nos ajudarão a confeccioná-los em quantidades maiores e com isso conseguiremos (essa é a nossa oração) passar para um degrau acima que é o de ajudar no sustento de missionários, quer seja adotando ou completando o sustento de alguns missionários que nos acompanham e que sabemos do grau de envolvimento que têm com a Obra do Senhor.
Quanto maiores forem as tiragens dos folhetos, menores serão os valores que passaremos a cobrar, pois não temos nenhum interesse pessoal, no que tange a nos beneficiarmos dos valores advindos das vendas dos mesmos.
Os e-mails para intercessão pelos irmãos missionários, pela Igreja perseguida e povos não alcançados continuam.
Que o Senhor continue abençoando a cada um de vocês e que nos ajude a completarmos a tarefa que nos confiou.
Sempre juntos em Jesus.
Antonio Carlos

*************************Para adquirir os produtos abaixo entre em contato com:
Projeto Procurando os Perdidos
Fone : (0xx11) 2240-1223
E-mail:
contato@procurandoosperdidos.com
MSN:
a.carlos@procurandoosperdidos.com
Site/blog:
www.procurandoosperdidos.com
*************************

Folheto Evangelístico: “O que podemos esperar de Deus?”

Baseado nos textos de Ezequiel 37.1-3 ( Vale de Ossos Secos) e João 3.16 (A dimensão do Amor de Deus)
Autor: A.C.C
Editora: Projeto Procurando os Perdidos
Formato:13x20(aberto-frentexverso) Páginas: 4 papel couche 90 grs
Valor: R$ 10,00 o cento + frete
Disponibilidade:
imediata
Forma de pagamento: depósito bancário

“....
Quantas vezes nos sentimos abandonados e sozinhos dentro de nossas próprias casas? Onde nossos pais não nos dão a menor atenção? Onde as esposas nem reparam a maneira de vestir de seus maridos; onde os maridos não têm sequer uma palavra de carinho para suas esposas? São como se fossem estranhos um ao outro apesar de viverem sob o mesmo teto e de um dia terem feitos juras eternas de amor e compreensão.
Chegamos a um nível de desespero tão grande que começamos a questionar e colocar a nossa fé em dúvida: “Será que Deus realmente existe? Se existe por quê não olha para mim? Será que Ele está tão distante que não pode nem ouvir o meu choro desesperado em busca de socorro? Será que Ele não está vendo que estou a ponto de enlouquecer?”
Nesses momentos nos sentimos os maiores sofredores do mundo. Ficamos deprimidos, angustiados e reclamamos de tudo e de todos.
Se você está se identificando com tudo o que foi dito até aqui, o Senhor Jesus quer fazer a você a mesma pergunta que fez a Ezequiel: “Filho do homem, acaso poderão reviver estes ossos?”
No lugar de “Filho do homem” coloque o seu nome: Antonio, José, Maria, João, Felipe, Juliana, Marcela...
Hoje, o Senhor Jesus está lhe convidando a olhar para dentro de si mesmo e verificar se você está sentindo-se como se fosse um vale de ossos secos para transformá-lo, para gerar vida em você.
Pode ser que você que está lendo essa reflexão não se sinta como um vale de ossos secos, mas talvez aquela chama de amor a Deus e ao próximo que ardia dentro do seu peito esteja apagada ou esteja se apagando neste momento.
Pode ser que você que esteja lendo essa reflexão...”
Amplie a imagem acima e conheça o texto na íntegra.


Folheto Evangelístico: “Procurando os Perdidos”


Baseado no texto de Lucas 19.10 (Amor de Deus pelo Perdido)

Autor: A.C.C
Editora: Projeto Procurando os Perdidos
Formato:13x20(aberto-frentexverso) Páginas: 4 papel couche 90 grs
Valor: R$ 10,00 o cento + frete
Disponibilidade:
imediata
Forma de pagamento: depósito bancário
“E disse Jesus: “Porque o Filho do Homem veio buscar e salvar o que se havia perdido.” (Lucas 19.10)
Desde a antiguidade o homem sente a necessidade da proteção de um Ser superior.
Todas as civilizações antigas tiveram seus deuses. Adoravam-nos, cultuavam-nos, sacrificando até mesmo seus entes queridos em muitos de seus rituais.
Sob a orientação desses deuses, promoviam guerras de conquista ou consultavam-nos antes de tomarem qualquer decisão importante.
Aprouve a Deus poupar um homem, Noé, juntamente com seus familiares para que um novo mundo, com uma nova mentalidade fosse implantado na terra. Um mundo onde a presença de Deus fosse o fator mais importante.
Deus sabia que o homem era um pecador contumaz e desde o pecado original, gerado pela desobediência de Adão e Eva, a perversidade tomou conta de seu coração. Deus sabia que este mesmo homem continuaria se pervertendo, por isso resolveu enviar Seu próprio Filho, Jesus Cristo, para resgatá-lo e aproximá-lo de seu Criador, a fim de demonstrar todo o seu amor.
Em nossos dias, muitos tentam esta aproximação através das diversas doutrinas criadas pelo próprio homem e pelas manifestações exteriores que não nos conduzem a Deus, mas ao contrário, nos afastam dEle.
Pensam alguns, que, através da consulta à pirâmides; cristais; ou da manipulação de fórmulas mágicas, exteriorização de palavras especiais; meditação transcendental em busca do estado alfa; cartas de tarô; recitação de mantras religiosas; mandingas e amuletos de toda espécie; oferendas ou despachos nas encruzilhadas e cemitérios; consulta a espíritos dos mortos nos centros espíritas, etc., conseguirão se aproximar de Deus; mas a Bíblia nos mostra na Carta do apóstolo Paulo, endereçada aos Efésios algumas maneiras pelas quais o Senhor Jesus vem a esse mundo procurar os que ainda se encontram perdidos nessas e em outras práticas para resgatá-los e aproximá-los de Deus.
...”
Amplie a imagem acima e conheça o texto na íntegra.

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

O verdadeiro sucesso



Não diz o suficiente, mas o que diz é bom. Refiro-me às reflexões de Ralph Waldo Emerson a respeito do sucesso:
"Como medes o sucesso?
Rir com freqüência, e muito; Ganhar o respeito de pessoas inteligentes e o afeto das crianças; Obter a apreciação de críticos honestos e agüentar firme a traição dos falsos amigos; Apreciar a beleza; Descobrir o que há de melhor nos outros; Deixar o mundo um pouco melhor, seja mediante uma criança sadia, uma situação social redimida, ou uma tarefa bem executada; Saber até que outrem recebeu o sopro da vida só porque você viveu — isto é ser bem sucedido."
Fiquei impressionado. Aprecio tanto o que deixou de ser mencionado quanto o que está explícito. Emerson jamais se refere a dinheiro, status, posição ou fama. Nada diz acerca do poder sobre as pessoas. Tampouco sobre riquezas. Ou auto-imagem super-intimidativa. Não coloca ênfase em tamanho, números, estatísticas, e tampouco noutros pontos não essenciais, à luz da eternidade.
Leia outra vez essas palavras. É possível que você tenha perdido alguma coisa na primeira leitura. Preste mais atenção, desta vez, nos verbos: "rir... ganhar... obter... agüentar... apre­ciar... descobrir... deixar... saber..." Ao longo de todo o texto, a ênfase recai em algo fora de nós mesmos, não é? Para mim, esse é o elemento que mais me conforta, dentre todos. Também é uma peça rara, dentre as da literatura que trata do sucesso.
Enquanto vagueio pela propaganda sobre o sucesso que se escreve hoje, noto que a predominância do foco de atenção está no "eu" externo da pessoa — como posso parecer tão esperto, que impressão fantástica eu posso produzir, quanta riqueza consigo acumular e quão totalmente posso controlar as coisas, ou quão rapidamente sou promovido ou... ou... ou. Não consigo ler nada — e quero dizer nada mesmo — que coloque ênfase no coração, no ser interior, na sede de nossos pensamentos, motivações e decisões. Nada, isto é, com exceção das Escrituras.
É interessante que a Bíblia diz muito pouco sobre o sucesso, mas muita coisa sobre o coração, onde se origina o verdadeiro sucesso. Não é de admirar, pois, que Salomão tenha desafiado seus leitores, dizendo:

"Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, pois dele procedem as saídas da vida" (Provérbios 4:23)

Está certo: "guarda o teu coração." Coloque uma sentinela de plantão. Vigie-o cuidadosamente. Proteja-o. Dê-lhe toda atenção. Mantenha-o limpo. Jogue fora o entulho. É ali, lembre-se, que coisas ruins conseguem esconder-se facilmente, como:

"...maus pensamentos, os adultérios, as prostitui­ções, os homicídios, os furtos, a avareza, as maldades, o engano, a lascívia, a inveja, a blasfêmia, a soberba, e a loucura" (Marcos 7:21-22).

Você sabe, são aquelas coisas que por fim emergem, quando o doce e tirânico odor de sucesso nos intoxica, fazendo que "as fontes da vida" exalem veneno. Como é importante o co­ração! É nele que se forma o caráter. Só o coração detém os segredos do verdadeiro sucesso. Seus tesouros não têm preço, são inestimáveis — mas podem ser roubados.
Você está guardando seu coração? Diga-o com toda hones­tidade: você guarda seu coração? As raízes horrendas e ve­nenosas do pecado encontram nutrientes no íntimo de nosso coração. Embora pareçamos bem-sucedidos, ressoemos como bem-sucedidos, falemos a respeito de sucesso, e até nos vistamos para o sucesso, podemos estar, na verdade, à deriva. Podemos estar sofrendo de uma erosão interna daquelas coisas que nossos lábios estão alardeando publicamente. Isto se chama fingimento. Um termo mais severo é hipocrisia... e as pessoas bem-sucedidas conseguem ser tremendamente hábeis nesse jogo. Agradeço ao Sr. Joseph Bayly, já falecido, estas palavras:
"Jesus advertiu seus discípulos: devemos precaver-nos contra a hipocrisia, que é fingir ser algo que na verdade não somos, ou agir com uma máscara cobrindo-nos o rosto. A hipocrisia é um terrível sinal de que há sérios problemas em nosso coração — que só aguarda o dia em que serão expostos. É como John Milton afirmou em Paraíso Perdido: 'Nem homens nem anjos conseguem discernir a hipocrisia, o único mal que age invisivelmente — exceto Deus'."
Os pensamentos de Emerson a respeito do sucesso são pro­fundos; vale a pena memorizá-los. Contudo, esta questão da guarda do coração exige algo mais a ser acrescentado. É es­sencial que o guardemos — não se trata de algo opcional. Não é fácil guardá-lo. Não se processa naturalmente. Requer ho­nestidade. Exige pureza.
O sucesso pode transformar-se facilmente em fracasso. Basta que baixemos a guarda.