quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

INFORMATIVO PROCURANDO OS PERDIDOS- ESPECIAL DE FIM DE ANO

Graça e paz!

Durante todo o ano de 2010 estivemos juntos, intercedendo uns pelos outros e principalmente pelos nossos irmãos (ãs) missionários que atuam tanto no Brasil como no exterior, e muitos deles nos países onde existe perseguição religiosa aos que procuram propagar a Palavra de Deus, na pessoa de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

São irmãos e irmãs que não têm a vida física por preciosa, sujeitando-se a todo tipo de dificuldade eles procuram cumprir o IDE de Jesus com os meios que dispõem.

São os modernos heróis da fé, em quem devemos nos espelhar, principalmente quando estamos abatidos diante dos problemas que muitas vezes nos impedem de realizar o que desejamos na obra e na vida.

Nesse final de ano, decidimos presentear a todos vocês que nos acompanham com uma edição especial de nosso informativo.

Todos nos conhecem e sabem que não temos nenhuma pretensão além de nos unirmos cada vez mais como Corpo de Cristo, por essa razão, perdoe-nos os possíveis erros.

Reunimos nessa edição as matérias de capa, as reflexões, os testemunhos e as cartas missionárias que foram publicadas nos informativos de número 01 a 11.
Faremos o mesmo a cada 08 informativos, ou seja: a cada dois meses.
Dessa forma, a resenha com as matérias de capa, reflexões, testemunhos e cartas missionárias serão enviadas bimestralmente.

Essa foi a modesta, mas sincera maneira de dizer MUITO OBRIGADO a todos vocês: irmãos, irmãs, pastores, pastoras, apóstolos, líderes, seminaristas, missionários e familiares de missionários,enfim a todos os quase 3.000 irmãos e irmãs que formam hoje a família “procurando os perdidos” espalhados por todo o mundo.

Meu desejo é de que o Senhor abençoe grandemente a vida, o ministério e a família de todos vocês e também daqueles que congregam ou compartilhar da companhia de cada um.

Que 2011 seja um ano de plenas realizações em todas as áreas, quer materiais, quer espirituais.

Continuem conosco em 2011.

Sempre juntos em Jesus.

Carlos

Se você que nos acompanha através dos blogs deseja receber uma cópia do Informativo Especial, basta solicitá-lo enviando um para e-mail missoes@procurandoosperdidos.com. Assim que o recebermos enviaremos o arquivo em PDF.

 

O Informativo Procurando os Perdidos tem por objetivo unir o povo de Deus em orações intercessórias pelos missionários e cristãos que vivem em países com perseguição religiosa ou intolerância à pregação do Evangelho de Jesus Cristo. É editado semanalmente e distribuído gratuitamente. É elaborado pela equipe do Projeto “Procurando os Perdidos” que é parte integrante do Ministério de Missões e Evangelização da Igreja Batista Renovada Água da Vida em São Paulo e mantém quatro blogs com mensagens especificas, mas sempre objetivando exaltar e glorificar a Deus, na Pessoa e Obra Redentora de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo alcançando o pecador e colaborando na edificação do Corpo de Cristo.

Infelizmente a grande maioria dos cristãos, quase 95%, nunca ouviu falar acerca da existência de uma Igreja Perseguida e que nos lugares onde ela atua irmãos são aprisionados, torturados e até mortos por professarem sua fé em Jesus Cristo. Por essa razão entendemos que é nossa obrigação, como membros do Corpo de Cristo, informar e conscientizar o maior número possível de irmãos e irmãs para que intercedam por eles e despertem as Igrejas a que pertencem para essa triste realidade.


IGREJA BATISTA RENOVADA ÁGUA DA VIDA

"A extensão de sua família"- Levando a sério o Evangelho do Senhor Jesus Cristo!

Sede= Rua Humberto Bortolo, nº 210- Bortolândia- São Paulo-SP- Fone: (11) 2953-7856- Pastor Omar Bianchi

Segundas: Culto de Oração: 20h00

Quintas: Estudo Bíblico e Oração: 20h00

Sábados: Reunião dos jovens: 19h00

Domingo: Escola Bíblica, com classes para várias faixas etárias: das 9h30 às 11h00

REUNIÃO À NOITE: 19h00

CTAV-IBRAV- Cursos para treinamento de Líderes- Rua Humberto Bortolo, nº 217- Quartas às 20h00

CTAV-IBRAV- Unidade Avançada em Guaianazes- Rua Airton Sena, nº 22- Bairro Roseira Dois- Segundas, Terças e Sextas às 20h00

IBRAV- GUAIANAZES-SP- Av. Miguel Achiole da Fonseca, nº 792- domingos às 18h00.

IBRAV-JD FELICIDADE-SP-SP- Rua da Fonte, nº95- domingos às 18h00

IBRAV JUNDIAÍ-SP- Rua Uchoa, nº 20- Bairro Retiro- domingos às 18h00

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Cultivemos a Simplicidade e a Solidão

Nós cristãos temos de simplificar as nossas vidas, ou teremos de perder tesouros incontáveis, na terra e na eternidade.
A civilização moderna é tão complexa que torna a vida de devoção quase impossível. Cansa-nos multiplicando distrações e nos prostra destruindo a nossa soledade, quando, doutro modo, poderíamos beber e renovar as nossas forças antes de sair para enfrentar de novo o mundo.
"A alma que gosta de meditar, retira-se para a solidão", disse o poeta de outros tempos, tempos mais tranqüilos; mas, onde está a solidão para a qual podemos retirar-nos hoje? A ciência, que propiciou aos homens certas comodidades materiais, roubou-lhes as almas, cercando-os com um mundo hostil à sua existência. "Converse com o seu coração em seu leito, e fique tranqüilo", é um conselho sábio e com poder curativo, mas como pode ser seguido nestes dias de jornais, telefone, rádio e televisão? Estes brinquedos modernos, como filhotes de tigre de estimação, cresceram e ficaram tão grandes e perigosos, que ameaçam devorar-nos a todos. O que foi planejado para ser uma bênção tornou-se positivamente uma maldição. Lugar nenhum está salvo agora da intrusão do mundo.
Um modo pelo qual o mundo civilizado destrói os homens é impedindo-os de ter os seus próprios pensamentos.
Os nossos "meios de comunicação enormemente melhorados", de que os de visão curta se jactam alto e bom som, agora capacitam uns poucos homens, em centros estratégicos, a alimentar milhões de mentes com conteúdo de pensamento alheio, pré-fabricado e pré-digerido. Uma pequena assimilação, sem esforço, destas idéias tomadas por empréstimo, e o homem comum terá acionado todo o pensamento que quer ou que pode acionar. Esta sutil lavagem cerebral prossegue dia após dia e ano após ano, para prejuízo eterno da população — população que, casualmente, está disposta a pagar grandes somas de dinheiro para obter trabalho pronto, sendo que a razão disso, suponho eu, é que isso a livra da tarefa árdua e muitas vezes assustadora de chegar a decisões independentes pelas quais terá de assumir a responsabilidade.
Houve época, não faz muito tempo, em que o lar de um homem era o seu castelo, refúgio seguro para o qual podia voltar para ter sossego e soledade. Ali "as chuvas do céu podem despejar-se, mas nem o próprio rei pode entrar sem permissão", diziam os orgulho-sos ingleses, e não se gabavam em vão. Isso era de fato um lar. Sobre tão sagrado lugar o poeta cantou:
Oh! quando a salvo estou em meu rústico lar, piso o orgulho da Grécia e a arrogância de Roma; e quando à boa sombra dos pinhais me estendo, onde a estrela da tarde tão pura resplende, rio-me do saber e da vaidade do homem, das escolas sofistas e da casta dos doutos; pois, que são eles todos, em sua presunção, quando na sarça o homem pode estar com Deus?
Embora um tanto fora do escopo da presente obra, não posso abster-me de observar que o sinal mais ominoso da destruição que está para sobrevir ao nosso país é o passamento do lar americano. Os americanos não vivem mais nos lares, mas nos teatros. Os membros de muitas famílias mal se conhecem uns aos outros, e o rosto de algum astro popular da TV é tão familiar para muitas esposas como o dos seus maridos. Que ninguém sorria. Antes, devemos chorar pelo que isso pressagia. De nada adiantará buscarmos proteção debaixo das estrelas e listras da nossa bandeira. Nenhuma nação cujo povo se tenha vendido por pão e circo pode durar por muito tempo. Os nossos pais dormem profundamente, e a desagradável confusão do ruído comercializado que nos engolfa como algo do Inferno de Dante, não pode perturbar o sono deles. Eles nos legaram uma formosa herança. Para preservar essa herança, precisamos ter um caráter nacional tão forte como o deles. E isto só se pode desenvolver num lar cristão.
A necessidade de soledade e quietude nunca foi maior do que hoje. O que o mundo fará a respeito é problema dele. Aparentemente, as massas querem as coisas como estão, e na maioria os cristãos acham-se tão conformados com a presente era, que eles também querem que as coisas continuem como estão. Talvez estejam um pouco aborrecidos pelo clamor e pela vida de aquário que levam, mas evidentemente não estão suficientemente aborrecidos para fazer algo a respeito. Contudo, há alguns poucos cristãos que já deram o basta. Querem reaprender os caminhos da soledade e da simplicidade, e obter as riquezas infinitas da vida interior. Querem descobrir a bem-aventurança daquilo que o Dr. Max Reich chamava de "solidão espiritual". A esses irmãos ofereço um breve parágrafo de conselho.

Retire-se do mundo todo dia para algum local privado, ainda que seja apenas o quarto (por um tempo fiz o meu retiro na câmara da caldeira de aquecimento, por falta de lugar melhor). Permaneça no local secreto até que os ruídos circundantes comecem a esvair-se do seu coração e a sensação da presença de Deus o envolva. Deliberadamente desligue os sons desagradáveis e saia do seu recanto secreto determinado a não ouvi-los. Ouça a voz interior até aprender a reconhecê-la. Pare de tentar competir com outros. Entregue-se a Deus, e então seja o que e quem é, sem se importar com o que os outros pensam. Reduza os seus interesses a uns poucos. Não procure saber coisas que não lhe sejam úteis. Evite a mente condensada — cheia de pedaços de fatos não relacionados entre si, histórias bonitas e ditos brilhantes. Aprenda a orar interiormente a todo momento. Após algum tempo, você poderá fazer isso enquanto trabalha. Pratique a candura, a sinceridade da criança, a humildade. Ore pedindo olhos simples. Leia menos, mas leia mais daquilo que é importante para a sua vida interior. Jamais permita que a sua mente fique dispersa por muito tempo. Chame para casa os seus pensamentos errantes. Contemple Cristo com os olhos da alma. Exercite a concentração espiritual.

Tudo que acima foi dito depende da correta relação com Deus por meio de Cristo, e da meditação diária nas Escrituras. Faltando estas coisas, nada nos ajudará; asseguradas, a disciplina recomendada conseguirá neutralizar os maus efeitos do externalismo e nos fará conhecer bem a Deus e às nossas próprias almas.

A.W.Tozer

domingo, 19 de dezembro de 2010

CONDUTA CRISTÃ - 12. A FÉ II



Vou começar por dizer algo em que gostaria que to­dos prestassem a máxima atenção. E o seguinte. Se este capítulo não significar nada para você, se ele der a im­pressão de procurar responder a perguntas que você nun­ca fez, largue-o imediatamente. Não se amofine por causa dele. Existem coisas no cristianismo que podem ser compreendidas mesmo por quem está de fora, por quem ainda não é cristão; existe, por outro lado, um grande número de coisas que só podem ser compreen­didas por quem já percorreu um certo trecho da estra­da cristã. São coisas puramente práticas, embora não o pareçam. São instruções de como lidar com certas en­cruzilhadas e obstáculos da jornada, instruções que não têm sentido até que a pessoa esteja diante deles. Sem­pre que você deparar com uma frase de um escrito cristão que você não seja capaz de compreender, não se aborre­ça. Deixe-a de lado. Virá um dia, talvez anos mais tarde, em que você subitamente entenderá o que ela queria di­zer. Se não consegue entendê-la agora, é porque ela só lhe faria mal.
E claro que isso diz respeito não só aos outros, mas a mim também. O que tentarei explicar neste capítulo talvez esteja muito acima da minha compreensão. E pos­sível que eu pense que já tenha chegado lá, mas na rea­lidade não tenha. Só posso pedir aos cristãos instruídos que ouçam com muita atenção o que digo e me avisem se estiver errado; quanto aos outros, que aceitem com cautela o que for dito - como algo que ofereço por pen­sar que pode ajudar, não por ter a certeza de estar com a razão.
Estou tentando falar sobre a fé nesse segundo sen­tido, o mais elevado. Disse há pouco que essa questão surge no homem depois que ele tentou ao máximo pra­ticar as virtudes cristãs, constatou-se incapaz e chegou à conclusão de que, mesmo que tivesse conseguido, não estaria oferecendo a Deus nada que já não lhe per­tencesse. Em outras palavras, ele descobre que está fa­lido. E bom repetir: o que importa para Deus não são nossas ações enquanto tais. O que lhe importa é que sejamos criaturas de determinado tipo ou qualidade — o tipo de criaturas que ele tencionava que fôssemos quan­do nos criou -, vinculadas a ele de uma determinada maneira. Não acrescento "e vinculados uns aos outros", porque isso é uma conseqüência natural. Se você tem a atitude correta diante de Deus, inevitavelmente terá a ati­tude correta diante do próximo, da mesma forma que, quando os raios de uma roda estão bem encaixados no cubo e no aro, inevitavelmente guardam as distâncias corretas entre si. E, enquanto o homem concebe Deus como uma espécie de examinador que nos passa uma prova, ou como a outra parte numa espécie de barga­nha em que cada parte tem seus direitos e obrigações, não está ainda com a atitude correta diante de Deus. Não sabe nem o que ele é nem o que é Deus, e só poderá ter a atitude correta quando descobrir que está falido.
Quando digo "descobrir", quero dizer exatamente isso: não é o mesmo que repetir palavras como um pa­pagaio. Qualquer criança que tenha recebido a educa­ção cristã mais elementar aprende rapidamente que o homem não tem nada a oferecer a Deus que já não seja dele, e que nem isso conseguimos oferecer sem surru­piar uma parte para nós. Mas estou falando de uma des­coberta real, advinda da experiência pessoal.
Nesse sentido, só podemos descobrir que somos in­capazes de cumprir a Lei de Deus depois de tentar cumpri-la com todas as nossas forças (e fracassar em seguida). Se não tentarmos, continuaremos pensando em nosso íntimo que, se nos esforçarmos mais na próxima vez, conseguiremos ser completamente bons. Assim, em cer­to sentido, a estrada que nos leva de volta a Deus é a do esforço moral, a via da auto-superação. Mas, em outro sentido, não é o esforço que nos levará para casa. Toda a força que fazemos nos conduz ao momento crucial em que nos voltamos para Deus e lhe dizemos: "O Se­nhor tem de fazer isso. Não consigo." Imploro que vo­cês não comecem a se perguntar: "Será que já cheguei a esse momento?" Não fique sentado esperando, obser­vando a própria mente para ver se o momento está che­gando. Isso o levará a tomar o bonde errado. Quando acontecem as coisas mais importantes da vida, nem sem­pre nos damos conta do que está ocorrendo. A pessoa não pára de repente e diz para si mesma: "Opa, estou crescendo!" Em geral, é só quando olha para trás que percebe o que aconteceu e reconhece que é isso que as pessoas chamam de "crescer". Isso pode ser notado até nos assuntos mais prosaicos. O homem que começa a querer saber se vai conseguir dormir ou não, com toda probabi­lidade vai passar a noite em claro. Além disso, o fenôme­no de que estou falando pode não ocorrer de repente, como ocorreu com o apóstolo Paulo ou Bunyan. Pode se dar de forma tão gradual que ninguém consiga apontar uma hora específica, ou mesmo o ano em que acon­teceu. O que interessa é a natureza da mudança em si, e não como nos sentimos quando ela ocorre. É a mudan­ça do sentimento de confiança em nossos próprios es­forços para um estado em que nos desesperamos com­pletamente e deixamos tudo nas mãos de Deus.
Sei que as palavras "deixar tudo nas mãos de Deus" podem ser entendidas de forma errada, mas vamos dei­xá-las assim por enquanto. O sentido em que um cristão deixa tudo nas mãos de Deus é que ele deposita toda a sua confiança em Cristo: confia em que, de alguma for­ma, Cristo vai dividir sua obediência humana perfeita com ele, obediência que Cristo carregou consigo do nascimento à crucificação. Cristo fará do homem uma imagem de si, compensando, de certa forma, suas de­ficiências. Na linguagem cristã, ele repartirá a sua "fi­liação", fará de nós "filhos de Deus", como ele mesmo. Se lhe agrada colocar as coisas sob essa perspectiva, Cristo nos oferece algo por nada; na verdade, oferece tudo por nada. Num sentido, toda a vida cristã se baseia em aceitar essa ofer­ta extraordinária. A dificuldade está em chegar ao pon­to de reconhecer que tudo o que fazemos e podemos fazer se resume a nada. Gostaríamos que a coisa fosse diferente, que Deus contasse nossos pontos bons e ignorasse os ruins. Ou senão, num certo sentido, podemos dizer que nenhuma tentação pode ser superada se não desistirmos de superá-la - se não jogarmos a toalha. Por outro lado, ninguém poderia "parar de tentar" da for­ma correta e pelas razões corretas se antes não tentasse com todas as suas forças. E, num outro sentido ainda, é claro que deixar tudo nas mãos de Cristo não signifi­ca que devemos parar de nos esforçar. Confiar nele sig­nifica tentar fazer tudo o que ele disse. Não há sentido em dizer que confiamos em tal pessoa se não aceitamos seus conselhos. Logo, se você realmente se entregou nas mãos dele, conclui-se daí que está tentando obedecer-lhe. No entanto, está tentando de uma forma nova, menos preocupada. Não está fazendo essas coisas para ser sal­vo, mas porque ele já começou a salvá-lo. Não está es­perando ganhar o Paraíso como recompensa das suas ações, mas quer inevitavelmente agir de uma determi­nada forma porque já tem dentro de si os primeiros e tênues vislumbres do Paraíso.
Os cristãos sempre tiveram o costume de polemi­zar sobre o que conduz o cristão à sua morada: se as boas ações ou se a fé em Cristo. Na verdade, não tenho o direito de falar sobre um assunto tão difícil, mas me parece que é como perguntar qual das lâminas de uma tesoura é a mais importante. O esforço moral sério é a única coisa que pode nos conduzir ao ponto de jogar a toalha. A fé em Cristo é a única coisa que pode nos sal­var do desespero nesse ponto: e, dessa fé, é inevitável que surjam boas ações. No passado, alguns grupos cris­tãos acusaram outros grupos cristãos de parodiar a ver­dade de duas formas. O exagero das situações talvez ajude a tornar a verdade mais clara. Um dos grupos era acusado de dizer: "As boas ações são tudo o que interessa. A melhor das boas ações é a caridade. O melhor tipo de caridade é dar dinheiro. A melhor forma de dar di­nheiro é fazer uma doação para a Igreja. Logo, faça uma doação de 10.000 libras e garantiremos sua entrada na vida eterna." A resposta a esse absurdo é que as ações feitas com essa intenção, com a idéia de que o Paraíso pode ser comprado, não são boas ações de forma alguma, mas somente especulações comerciais. Outro grupo era acusado de dizer: "A fé é tudo o que importa. Logo, se você tem fé, não importam as suas ações. Peque à von­tade, meu filho, divirta-se a valer, que para Jesus Cristo não vai fazer a mínima diferença no final." A resposta a esse absurdo é que, se o que você chama de "fé" em Cris­to não implica dar atenção ao que ele disse, ela não é fé de maneira alguma — nem Fé nem confiança, mas ape­nas a aceitação mental de alguma teoria a seu respeito.
A Bíblia encerra a discussão quando junta as duas coisas numa única sentença admirável. A primeira me­tade diz: "Ponham em ação a salvação de vocês com temor e tremor" - o que dá a idéia de que tudo depende de nós e de nossas boas ações; mas a segunda metade complementa: "Pois é Deus que efetua em vocês tanto o querer quanto o realizar" - o que dá a idéia de que Deus faz tudo e nós, nada. Esse é o tipo de coisa com a qual nos defrontamos no cristianismo. Fico perplexo, mas não surpreso. Veja você, estamos tentando compreender e separar em compartimentos estanques o que Deus faz e o que o homem faz quando se põem a trabalhar juntos. É claro que a nossa concepção inicial desse trabalho é a de dois homens que atuam em conjunto, de quem poderíamos dizer: "Ele fez isto e eu, aquilo." Porém, essa maneira de pensar não se sustenta. Deus não é as­sim. Não está só fora de você, mas também dentro: mes­mo que pudéssemos compreender quem fez o quê, não creio que a linguagem humana pudesse expressá-lo de forma apropriada. Na tentativa de expressar essa verdade, as diferentes igrejas dizem coisas diversas. Você há de cons­tatar, porém, que mesmo as que mais insistem na im­portância das boas ações lhe dirão que você precisa ter fé; e as que mais insistem na fé lhe dirão para praticar boas ações. Neste assunto, não me arrisco a ir mais longe.
Creio que todos os cristãos concordariam comigo se eu dissesse que, apesar de o cristianismo, num primeiro momento, dar a impressão de só se preocupar com a mo­ral, com deveres, regras, culpa e virtude, ele nos leva além, para fora de tudo isso e para algo completamente dife­rente. Vislumbramos então um país cujos habitantes não falam dessas coisas, a não ser, talvez, como piada. Todos eles são repletos do que chamaríamos de bondade, co­mo um espelho é repleto de luz. Eles mesmos, porém, não chamam isso de bondade. Não o chamam por nome algum. Não pensam a respeito desse assunto, pois estão ocupados demais em contemplar a fonte de onde isso provém. Mas nos aproximamos aí do ponto em que a estrada cruza o limiar deste nosso mundo. Nenhum olhar pode enxergar muito além disso; muitos olhares podem enxergar bem mais longe que o meu.

C.S.LEWIS

Três conselhos.

Um casal de jovens recém-casados era muito pobre e vivia de favores num sítio do interior. Um dia o marido fez a seguinte proposta para a esposa:

"Querida eu vou sair de casa, vou viajar para bem longe, arrumar um emprego e trabalhar até ter condições para voltar e dar-te uma vida mais digna e confortável. Não sei quanto tempo vou ficar longe, só peço uma coisa, que você me espere e enquanto eu estiver fora, seja FIEL a mim, pois eu serei fiel a você."
Assim sendo, o jovem saiu. Andou muitos dias a pé, até que encontrou um fazendeiro que estava precisando de alguém para ajudá-lo em sua fazenda.
O jovem chegou e ofereceu-se para trabalhar, no que foi aceito. Pediu para fazer um pacto com o patrão, o que também foi aceito.
O pacto foi o seguinte: "Me deixe trabalhar pelo tempo que eu quiser e quando eu achar que devo ir, o senhor me dispensa das minhas obrigações. EU NÃO QUERO RECEBER O MEU SALÁRIO. Peço que o senhor o coloque na poupança até o dia em que eu for embora. No dia em que eu sair o senhor me dá o dinheiro e eu sigo o meu caminho".
Tudo combinado.
Aquele jovem trabalhou DURANTE VINTE ANOS, sem férias e sem descanso.
Depois de vinte anos chegou para o patrão e disse: "Patrão, eu quero o meu dinheiro, pois estou voltando para a minha casa."
O patrão então lhe respondeu: "Tudo bem, afinal, fizemos um pacto e vou cumpri-lo, só que antes quero lhe fazer uma proposta, tudo bem? Eu lhe dou o seu dinheiro e você vai embora, ou LHE DOU TRÊS CONSELHOS e não lhe dou o dinheiro e você vai embora. Se eu lhe der o dinheiro eu não lhe dou os conselhos; se eu lhe der os conselhos, eu não lhe dou o dinheiro. Vá para o seu quarto, pense e depois me dê a resposta.”
Ele pensou durante dois dias, procurou o patrão e disse-lhe: "QUERO OS TRÊS CONSELHOS."
O patrão novamente frisou: "Se lhe der os conselhos, não lhe dou o dinheiro."
E o empregado respondeu: "Quero os conselhos."
O patrão então lhe falou:
1. NUNCA TOME ATALHOS EM SUA VIDA. Caminhos mais curtos e desconhecidos podem custar a sua vida.

2. NUNCA SEJA CURIOSO PARA AQUILO QUE É MAL, pois a curiosidade para o mal pode ser mortal.

3. NUNCA TOME DECISÕES EM MOMENTOS DE ÓDIO OU DE DOR, pois você pode se arrepender e ser tarde demais.

Após dar os conselhos, o patrão disse ao rapaz, que já não era tão jovem assim:
"AQUI VOCÊ TEM TRÊS PÃES, estes dois são para você comer durante a viagem e este terceiro é para comer com sua esposa quando chegar a sua casa.“
O homem então, seguiu seu caminho de volta, depois de vinte anos longe de casa e da esposa que ele tanto amava.
Após primeiro dia de viagem, encontrou um andarilho que o cumprimentou e lhe perguntou: "Pra onde você vai?“
Ele respondeu: "Vou para um lugar muito distante que fica a mais de vinte dias de caminhada por essa estrada."
O andarilho disse-lhe então: "Rapaz, este caminho é muito longo, eu conheço um atalho que é dez, e você chega em poucos dias...“
O rapaz contente, começou a seguir pelo atalho, quando lembrou-se do primeiro conselho, então voltou e seguiu o caminho normal.
Dias depois soube que o atalho levava a uma emboscada.
Depois de alguns dias de viagem, cansado ao extremo, achou pensão à beira da estrada, onde pode hospedar-se.
Pagou a diária e após tomar um banho deitou-se para dormir.
De madrugada acordou assustado com um grito estarrecedor. Levantou-se de um salto só e dirigiu-se à porta para ir até o local do grito.
Quando estava abrindo a porta, lembrou-se do segundo conselho.
Voltou, deitou-se e dormiu.
Ao amanhecer, após tomar café, o dono da hospedagem lhe perguntou se ele não havia escutado gritos durante a noite, e ele respondeu que sim.
O hospedeiro perguntou-lhe se não estava curioso a respeito, e ele respondeu que não..
O hospedeiro prosseguiu: “VOCÊ É O PRIMEIRO HÓSPEDE A SAIR DAQUI VIVO, pois meu filho tem crises de loucura, grita durante a noite... e quando o hóspede sai, mata-o e enterra-o no quintal.”
O rapaz prosseguiu na sua longa jornada, ansioso por chegar a sua casa.
Depois de muitos dias e noites de caminhada... Já ao entardecer, viu entre as árvores a fumaça de sua casinha, andou e logo viu entre os arbustos a silhueta de sua esposa.
Estava anoitecendo, mas ele pode ver que ela não estava só.
Andou mais um pouco e viu que ela tinha entre as pernas, um homem a quem estava acariciando os cabelos.
Quando viu aquela cena, seu coração se encheu de ódio e amargura e decidiu-se a correr de encontro aos dois e a matá-los sem piedade.
Respirou fundo, apressou os passos, quando lembrou-se do terceiro conselho.
Então parou, refletiu e decidiu dormir aquela noite ali mesmo e no dia seguinte tomar uma decisão.
Ao amanhecer, já com a cabeça fria, ele pensou: "NÃO VOU MATAR MINHA ESPOSA E NEM O SEU AMANTE.
Vou voltar para o meu patrão e pedir que ele me aceite de volta.
Só que antes, quero dizer a minha esposa que eu sempre FUI FIEL A ELA".
Dirigiu-se à porta da casa e bateu.
Quando a esposa abre a porta e o reconhece, se atira em seu pescoço e o abraça afetuosamente.
Ele tenta afastá-la, mas não consegue. Então, com lágrimas nos olhos lhe diz: "Eu fui fiel a você e você me traiu..."
Ela espantada lhe responde: "Como? Eu nunca lhe trai, esperei durante esses vintes anos!"
Ele então lhe perguntou: "E aquele homem que você estava acariciando ontem ao entardecer?"
"AQUELE HOMEM É NOSSO FILHO. Quando você foi embora, descobri que estava grávida. Hoje ele está com vinte anos de idade.“
Então o marido entrou, conheceu, abraçou o filho e contou-lhes toda a sua história, enquanto a esposa preparava o café.
Sentaram-se para tomar café e comer juntos o último pão.
APÓS A ORAÇÃO DE AGRADECIMENTO, COM LÁGRIMAS DE EMOÇÃO, ele parte o pão e, ao abri-lo, encontra todo o seu dinheiro, o pagamento por seus vinte anos de dedicação!

Muitas vezes achamos que o atalho "queima etapas" e nos faz chegar mais rápido, o que nem sempre é verdade...
Muitas vezes somos curiosos, queremos saber de coisas que nem ao menos nos dizem respeito e que nada de bom nos acrescentará...
Outras vezes, agimos por impulso, na hora da raiva, e fatalmente nos arrependemos depois....
Espero que você, assim como eu, não se esqueça desses três conselhos e que, principalmente, não se esqueça de CONFIAR em DEUS... (mesmo que a vida, muitas vezes já tenha te dado motivos para a desconfiança).

Autor desconhecido.