segunda-feira, 30 de maio de 2011

DIP- DOMINGO DA IGREJA PERSEGUIDA- “Ore por Nós!”

Quando você pergunta a um missionário que está a serviço na Obra de Evangelização, qual a sua principal necessidade ou o que podemos fazer para ajudá-lo de forma imediata, a resposta é sempre: “Não deixem de orar por mim!” Eles nunca vão dizer que precisam de itens materiais para continuar seu trabalho e sim que necessitam, a todo o momento, estarem debaixo da proteção divina e da cobertura de oração dos irmãos que como eles fazem parte do Corpo de Cristo nesse mundo.
Eles crêem nos ensinos de Jesus: “Buscai em primeiro lugar o reino de Deus e todas essas coisas vos serão acrescentadas” (Mt 6.33).


No dia 19 de junho, domingo, inúmeras igrejas espalhadas pelo mundo dedicarão uma programação especial durante todo o dia visando conscientizar todos os cristãos sobre as dificuldades que enfrentam muitos irmãos que anunciam o Evangelho da Salvação em Jesus Cristo em países onde a pregação da Palavra de Deus, a Bíblia, é não somente proibida, mas pode levar à prisão e à morte os seus porta-vozes.
Nós, cristãos brasileiros, temos a felicidade e por que não dizer a bênção divina por residir em um país onde, até a presente data, é permitido que a Palavra de Deus e a Salvação em Jesus Cristo sejam anunciadas a todas as pessoas livremente, mas, infelizmente, esse não é o caso de tantos irmãos e irmãs que, ao atenderem o chamado do Senhor, se dispuseram em Suas mãos para levar a mensagem de Salvação aonde a grande maioria de nós não poderia ou até mesmo não gostaria de ir.
São irmãos e irmãs que não temem perder a própria vida para cumprirem o “IDE” de Jesus (Mt 28.16).
Não nos esqueçamos de que a perseguição em alguns lugares não atinge apenas os missionários e suas famílias, mas também e principalmente aos que se convertem. Quando um membro de uma família residente em países islâmicos, budistas, hinduístas ou comunistas entrega sua vida a Jesus, começa a ser perseguido sem tréguas nem piedade. São abandonados por toda a sua família e não poucas vezes são entregues às autoridades policiais para serem torturados até que: neguem sua nova fé e retornem à antiga ou sejam mortos para servirem de exemplo aos que buscam seguir o mesmo caminho e decidam professar, mesmo que às escondidas, a fé  e a Salvação pessoal de suas vidas em Jesus Cristo.
Como não poderia deixar ser, nossa igreja também está engajada há anos nessa luta em favor de nossos irmãos que pertencem à Igreja Perseguida.
Felizmente, os missionários mantidos pela IBRAV (Igreja Batista Renovada Água da Vida) não estão residindo em países onde a perseguição religiosa é tão intensa como nos países islâmicos, budistas, hinduístas ou comunistas, mas nem por isso deixam de ter suas dificuldades para que a Palavra de Deus alcancem os corações.
Muitos deles se deparam com religiões animistas, onde a bruxaria e a feitiçaria são comuns entre a população, por isso necessitam sempre de nossas orações intercessórias para que o Senhor lhes conceda Poder e autoridade para exercerem seus ministérios nessas regiões.
Todos devemos participar ativamente da programação preparada pelos irmãos responsáveis.
Teremos, além de nossas orações, a apresentação de filmes, vídeos e palestras sobre missões e principalmente sobre as atividades da Igreja Perseguida.
Tenho certeza que depois de participarem das atividades do DIP vocês nunca mais serão os mesmos, especialmente no que diz respeito a Missões e Evangelização.
Convocamos principalmente os jovens para se engajarem não apenas nas atividades no dia 18 de junho de 2011, mas para colaborarem continuamente para que a luta enfrentada por esses irmãos espalhados por diversos países não seja vã.
Se a sua Igreja não está cadastrada para participar das atividades do DIP ou nunca ouviu falar sobre o mesmo, sugerimos que conheçam o trabalho desenvolvido pela Missão Portas Abertas (WWW.portasabertas.org.br) acessando o link (http://www.domingodaigrejaperseguida.org.br/)
O que é o Domingo da Igreja Perseguida?
O Domingo da Igreja Perseguida (DIP) foi criado pelo Irmão André, fundador da Portas Abertas, com o objetivo de unir cristãos em torno de um só motivo: nossos irmãos que pagam um alto preço por sua fé.
A data varia de ano em ano, pois é marcada para o domingo seguinte ao de Pentecostes. Esse critério foi adotado porque, no relato bíblico em Atos 4, o início das perseguições aos cristãos acontece logo após a descida do Espírito Santo, com a prisão de Pedro e João. Simbolicamente, pode-se dizer que essa foi a "fundação" da Igreja Perseguida.
Esse dia tem o objetivo de unir as igrejas brasileiras a passar momentos voltados à lembrança dos cristãos perseguidos, já que estes enfrentam muitas dificuldades em nome de sua fé em Cristo. Por isso, convidamos você a organizar este evento e ser um representante da causa da Igreja Perseguida.
Por ser um dia todo separado ao propósito de apresentar a realidade vivida por cerca de 100 milhões de cristãos ao redor do mundo, várias atividades podem ser elaboradas para chamar a atenção dos membros de sua igreja.
Organizadores voluntários mobilizando igrejas para o DIP
Em 2008, 1.719 igrejas brasileiras participaram do DIP. Essa mobilização só foi possível graças à ação de voluntários – pessoas que conhecem a causa da Igreja Perseguida e se prontificam a divulgar, em suas igrejas e comunidades, as necessidades dos nossos irmãos perseguidos.
Em 2009, 4.200 congregações participaram do DIP.
Em 2010 foram quase 3.000 Igrejas participantes. Para 2011, aguardando que mais igrejas estejam à frente desse importante evento de conscientização para os cristãos brasileiros. Até esse momento 2.383 Igrejas já confirmaram a sua participação.
Precisamos de sua ajuda para envolver um número maior de participantes. Até que todas as igrejas brasileiras conheçam a realidade dos cristãos perseguidos, não podemos nos acomodar!
Um dia inteiro de atividades: você escolhe a melhor para sua igreja
Um dia inteiro dedicado à oração e à lembrança desses irmãos que sofrem por sua fé! Irmãos que são exemplo de perseverança e de amor ao nosso Deus. As classes de escola dominical, as reuniões dos departamentos e os cultos desse dia poderão ser inteiramente dedicados ao DIP.
Esta é uma oportunidade para envolver adultos, jovens, adolescentes e crianças da Igreja brasileira com a Igreja Perseguida. E isso é feito por meio da oração e do relato de histórias e variadas situações vividas por nossos irmãos perseguidos.
Em todo o mundo, cerca de 100 milhões de cristãos são perseguidos por conta de sua fé em Cristo. Muitos deles vivem em países em que a religião oficial é o islamismo, o hinduísmo, ou que têm regimes políticos comunistas e nenhuma religião é permitida. Nessas nações, os cristãos são minoria e enfrentam os mais diversos tipos de restrições, desde a perda do emprego, até a morte de familiares.
Entretanto, são poucos os brasileiros que sabem disso. Provavelmente, acredita-se que, por se estar em pleno século XXI, a perseguição não aconteça mais. Porém, não é isso que a Missão Portas Abertas tem acompanhado e, por esse motivo, ela tem a grande tarefa de levar à consciência da Igreja no Brasil essa verdade.
A mídia secular tem, cada vez mais, destacado os fatos da intolerância religiosa contra os cristãos. Jornais como o Diário de S.Paulo e sites como o UOL, publicaram recentemente notícias sobre a perseguição. Por isso, é hora de a Igreja no Brasil tomar conhecimento e agir em favor da parte do Corpo.
Um dos eventos para despertar nas igrejas brasileiras a lembrança desses irmãos perseguidos é o DIP - Domingo da Igreja Perseguida - que foi criado pelo Irmão André, fundador da Portas Abertas, há 21 anos. A data varia de ano para ano, pois é marcada para o domingo seguinte ao de Pentecostes como explicamos acima.
Este ano, o DIP acontecerá em 19 de junho. Nesse dia, as igrejas criam atividades de acordo com o tempo permitido pelo pastor. Algumas utilizam todo o domingo, outras parte do dia, ou ainda, parte do culto. O que importa, é que a Igreja brasileira ouça sobre a Igreja Perseguida.
O site www.domingodaigrejaperseguida.org.br contém todas as informações necessárias para realizar o evento, com sugestões e explicação de como se tornar um organizador do DIP.
O organizador é a pessoa responsável pelo evento em sua comunidade. Ele será o representante dos cristãos perseguidos em sua congregação, pois o DIP não pode acontecer sem ele. Ele é fundamental para que as igrejas em todo o país saibam o que os cristãos no mundo têm enfrentado para servir a Cristo.
Você pode ser um desses cristãos como Paulo descreveu em 2 Coríntios 8.4: “Por iniciativa própria eles nos suplicaram insistentemente o privilégio de participar da assistência aos santos", que fazem questão de ajudar aos “santos”. A Igreja Perseguida precisa que você, que sabe que ela existe, divulgue a outros. Ela precisa ser conhecida. Ela precisa que seus irmãos da Igreja Livre intercedam, orem e lembrem-se deles em suas atividades na igreja.
Converse com seu pastor e seja um organizador. Estamos à sua disposição para ajudá-lo a criar o melhor ambiente dentro do tempo que lhe for permitido. Não fique de fora! Participe da assistência aos nossos irmãos que nos ensinam lições de fé, perseverança e força em meio a tantas adversidades.

A Igreja Perseguida precisa de você.
Faça algo por ela.
Realize o DIP em sua igreja.


Antonio Carlos

PROJETO PARAGUAI. Conheça! Envolva-se!

Conhecemos o Pastor Marcio e sua esposa Marta há cerca de 2 anos e ao longo desse período temos nos comunicado e compartilhado bênçãos e lutas
O Senhor nos adverte: “Ninguém que, tendo posto a mão no arado, olha para trás é apto para o reino de Deus.” (Lc 9.62) e essa tem sido a postura desses dois servos do Senhor: mesmo diante das lutas e adversidades impostas à maioria daqueles que entrega integralmente sua vida a serviço da Obra Redentora de Jesus, eles têm permanecido firmes e, sobretudo fiéis ao chamado que receberam e aceitaram.
Por essa razão queremos fornecer mais informações acerca do trabalho que realizam.
Leiam com a atenção que sempre dispensaram ao material que publicamos em nossos Informativos e orem ao Senhor para que a Obra realizada pelo Projeto Paraguai atinja o principal de seus objetivos: alcançar almas para o Reino, mas na medida do possível estudem também a possibilidade de colaborarem efetiva e financeiramente com eles.
Saiba mais sobre o Projeto Paraguai.
Sempre juntos em Jesus.
Antonio Carlos
PROJETO PARAGUAI
O Paraguai está entre os menos alcançados do mundo, sendo apenas 5% de evangélicos em uma população com pouco mais de 7 milhões de pessoas; nação que está também entre os países mais pobres, tem como língua oficial o Espanhol e o Guarani; 70% da população é menor de 18 anos, sendo que 38% destes são menores de 14 anos, existem ainda milhares de índios que vivem isolados e discriminados, predomina o catolicismo mesclado com a feitiçaria, as igrejas evangélicas em geral são pequenas e na maioria sem capacitação para o trabalho missionário. È comum a pratica de jogos de azar, prostituição, tráfico de drogas e contrabando, e por falta de perspectivas, em muitas regiões é grande o numero de suicídios decorrentes do alcoolismo e depressão.
O Pastor Marcio José e sua esposa, Missionária Marta Aguilar trabalham em locais não alcançados pelo evangelho no Paraguai; render glória a Deus, evangelizar e discipular tendo em vista a implantação de igrejas entre os índios Mbyá Guarani, conduzir equipes de seminaristas e irmãos que doem um curto tempo de trabalho missionário no Paraguai e realizar atividades evangelísticas, principalmente para crianças que somam a maioria no país são alguns dos ministérios que desenvolvem; e além da salvação espiritual, o serviço social e a educação também estão presentes através da Asociación Proyectos de Dios. 

PERFIL DOS MISSIONÁRIOS:
Pastor Marcio José é brasileiro de Foz do Iguaçu - Paraná,
Missionária Marta Aguilar é paraguaia de Coronel Oviedo - Caaguazu.


CONVERSÃO:
·            Marcio José: Um amigo de trabalho compartilhou o evangelho comigo. Depois disto senti desejo de ir a uma igreja, visitei por conta própria uma em meu bairro. Tive uma experiência com Deus logo na primeira visita, atendi ao chamado de Jesus e o recebi em minha vida como único Senhor e Salvador.
·            Marta Aguilar: Um vizinho com muito amor e dedicação compartilhou o evangelho e alguns princípios da palavra sobre perdão. Entreguei-me a obedecer ao Senhor e comecei a frequentar uma Igreja.

CHAMADA:
·         Marcio José: Em um Congresso de Missões fui profundamente tocado ao ouvir falar das necessidades dos menos alcançados do mundo. Mesmo sem apoio, mas com muita coragem, vendi tudo que pude, juntei algum dinheiro de meu trabalho e parti para um treinamento missionário transcultural. Devido a minha paixão pela Índia e Oriente Médio tive todo um preparo para ir a estas regiões, porém as portas não se abriram, foi então que comecei a trabalhar na fronteira do Brasil com o Paraguai com povos Árabes e aos poucos fui ingressando meu trabalho dentro do Paraguai e amando esse povo também.        
·         Marta Aguilar: Vendo a necessidade de obedecer ao IDE e quantas vidas têm sido ceifadas sem conhecer Jesus, entreguei minha vida ao serviço do Senhor dizendo: eis me aqui, envia-me a mim.

·      EXPERIÊNCIA:
·      Marcio José: Iniciei missões no país da Bolívia no ano 2000, ano em que fui consagrado missionário, através de um trabalho a curto prazo como parte do Básico em Teologia do ITQ (Instituto Teológico Quadrangular), depois da experiência fiz um curso de missiologia à distância pelo CEMTD Horizontes me interessando assim mais por missões transculturais, época em que fazia um ano eu estava trabalhando em uma emissora de radio na Argentina; Tive uma experiência com a base da Missão Horizontes Paraguai e então vendi o que pude, juntei um dinheiro do meu trabalho de radialista e fui para o seminário interno da Horizontes em Monte Verde, MG, Brasil; Foi com muita dificuldade financeira que terminei o curso missio-teológico em 2004, não consegui apoio financeiro da minha igreja, então voltei para minha cidade em Foz do Iguaçu no Paraná e tive apoio de uns irmãos para fazer a escola da JOCUM, ETED (Escola de Treinamento, Evangelismo e Discipulado), ao final da ETED em 2005, iniciei um ministério de alcance aos mulçumanos junto a Equipe Três Fronteiras, como “Fazedor de Tendas”, (Ministério em que se trabalha secularmente para manter sua missão).
No inicio de 2008 resolvi me entregar em tempo integral novamente e com um pouco dinheiro que tinha estudei na Missão SEMEAR em Foz do Iguaçu onde comecei paralelamente a desenvolver trabalhos no Paraguai com a Igreja Assembléia de Deus e Batista, foi então que fui consagrado ao ministério pastoral e com a benção da minha igreja e apoio de uma Igreja Batista me instalei no Paraguai assumindo uma igreja no interior a 270 Km de Foz do Iguaçu, mesmo assim a falta de apoio continuou e após meu casamento com Marta saímos do Paraguai em busca de apoio para continuar a missão e o Projeto Paraguai, em novembro de 2010 retornamos ao Paraguai e sempre temos contado com o apoio financeiro, doações e intercessão de agencias, igrejas, amigos e irmãos.

LOCAL DE INTERVENÇÃO DO PROJETO:
Ciudad de Caaguazú, Departamento de Caaguazú – Paraguay.
Comunidades de etnia Mbyá Guarani.
BASE DE CONCENTRAÇÃO DAS ATIVIDADES:
Ciudad de Caaguazú e Comunidade Indigena Joyvy.


OBJETIVO GERAL:
Realizar atividade social, educativa e religiosa, que envolve a doação de itens de necessidade básica, conscientização quanto às necessidades de mudança na saúde e higiene, incentivo ao trabalho através de técnicas e ferramentas, ensino escolar básico e trabalho de voluntários. A idéia não é acomodar os indígenas a um conforto, mas sim dar incentivos e instruí-los para se fortalecerem e serem auto-sustentáveis, fugindo assim da discriminação que sofrem por parte das cidades onde grande parte é conhecida como pedintes e preguiçosos. Tudo isso sempre com a mensagem do amor de Deus numa perspectiva Cristã.

RESULTADO DO PROJETO:
Comunidade indígena mais integra, organizada e fortalecida em suas condições de vida.

PERSPECTIVA DA SITUAÇÃO ATUAL:
De acordo com o Censo indígena 2002, a população indígena no Paraguai esta estimada em 85.674, representa o grupo social mais pobre e vulnerável da sociedade paraguaia. 50 comunidades indígenas vivem em Caaguazú, em sua maioria do grupo étnico Mbyá.
Caaguazú é o centro de concentração desta etnia e conta com 14.324 índios segundo censo 2002, dos quais temos tido acesso a 3 comunidades com um grupo de aproximadamente 600 habitantes. A maioria das comunidades indígenas convive com a fome e não tem como se manter, eis a importância de encarar este desafio.

ESTRATÉGIAS ADOTADAS:
Ø  Trabalho conjunto dos missionários e voluntários, aproveitando inclusive a voluntariedade de alguns índios e ensinando formas de trabalho.
Ø  Combate à fome através de um refeitório, funcionando uma vez na semana e distribuindo itens básicos para complementar a alimentação durante a semana.
Ø  Ensino escolar de qualidade através de professores voluntários, com distribuição de material básico e merenda.
Ø  Capacitação de membros da comunidade indígena para trabalhos diversos, usando talentos, dando ferramentas e incentivando novas técnicas.
Ø  Prestação de serviços básicos de saúde e higiene através de visitas periódicas de profissionais e voluntários; e palestras constantes sobre temas de importância.

NECESSIDADES
Ø  Condução: Precisamos urgente de uma moto ou veiculo com tração para estrada de areia, a moto que usávamos era de outro projeto, tivemos que devolver. Temos tido muita dificuldade em ir até as aldeias indígenas, ficam longe da cidade e em local de difícil acesso.
Ø  Materiais e Equipamentos: Necessitamos de equipamentos de som e informática para montagem e distribuição de materiais de evangelismo em espanhol e guarani, além de apostilas de discipulado e Bíblias.
Ø  Sustento: Para nosso sustento pessoal e necessidades básicas que auxiliam o trabalho precisamos de um aumento nas entradas de oitocentos reais (800,00) por mês, perdemos o apoio de dois grandes parceiros e nos últimos meses enfrentamos muita dificuldade.
Ø  Estruturas: Queremos construir uma Casa Base com quartos para receber voluntários e equipes de curto prazo; na aldeia Joyvy queremos construir duas salas para ensino escolar por dois professores voluntários e para cursos profissionalizantes, também necessitamos de um salão onde funcionarão as atividades do plano Comida para Todos e as atividades da futura Igreja Mbyá Guarani. Toda estrutura nos moldes da cultura local.
Ø  Serviços: Salvação, saúde, educação e alimentação, são algumas das necessidades da comunidade; queremos colaborar com o desenvolvimento destas aldeias fornecendo ajuda, com serviços de orientação em saúde e higiene, estruturas para professores voluntários que ainda dão aulas debaixo de uma árvore, doações para reforço na alimentação que é muito pobre e roupas.

Com a palavra o Pastor Marcio José
Carta de Abril/Maio de 2011
Graça e paz do Senhor amados.
Nos últimos meses temos dado prioridade à região dos índios Mbyá Guarani, O Senhor Jesus nos abriu as portas para nos instalar próximo, em Caaguazú. Com isso voltamos todos nossos esforços para esta aldeia e etnia, porém Marta ainda continua com atividades de evangelismo e discipulado com as crianças num bairro aqui de Caaguazú.
Temos muitos planos para a comunidade indígena aqui, o cacique Juan da comunidade Joyvy tem nos dado todo apoio, as nossas visitas são recheadas de alegria, as famílias se alegram e tem recebido bem a mensagem do evangelho, porém o processo discipulado, de mudança de vida é longo para que possamos implantar uma igreja que tenham lideres nativos para nos ajudar.
Perdemos o apoio de uma igreja que nos ajudava muito e de um irmão que não conseguimos mais contato e atualmente a única garantia de ajuda todo mês é da Missão Total em conjunto com igreja Batista. Atualmente temos apenas R$ 300 por mês e necessitaríamos pelo menos R$ 900 para nos manter, nos últimos dois meses passamos por muita dificuldade, e também perdemos o apoio de uma igreja aqui no Paraguai que passou a apoiar missionários próprios de sua denominação, com isso perdemos a casa e a moto que usávamos em parceria.
Para conseguir um pouco mais de dinheiro e nos manter Marta tem vendido roupas usadas que ganhamos de um amigo que nos enviou do Brasil uma grande quantidade, porém mesmo aqui na cidade temos que vender a preços muito baixos devido à situação da população. Nas ultimas semanas não tive condições de ir até a aldeia e temos racionado tudo para conseguir levar o trabalho adiante. Esperamos atender a estes índios com a mensagem do evangelho e serviços quanto antes, para isso precisamos urgente de uma condução para nos locomover pelos 7 km de estrada até a aldeia e também de suprimento das necessidades básicas de casa.
Ore e firme um compromisso conosco e com esse projeto de Deus. No amor do mestre.
Pastor Marcio José
CONTATOS
Do Paraguay: 0985-205-480
Internacional: 00xx595 985-205-480
Skype: marcioyusuf



Missionário Marcio José e Marta Aguilar
Você que deseja receber nossas cartas via correios, responda-nos com seu endereço e CEP.
Mais informações http://www.projetoparaguai.com/ 
Ministério Transcultural ALMA - Projeto Paraguai - Alcançando os Menos Alcançados
Apoio: Semeadores Missionários com Paixão pelas Almas - SEMIPA
Para Semear:
Banco Bradesco Agência 1020 - Conta Poupança 6401-7
Banco Itaú Agência 9254 - Conta Corrente 04982-9
Deposite ou faça uma transferencia em nome de: Marcio José da Silva- CPF 023.932.219-30
marcioymarta@gmail.com - ministerioalma@gmail.com - Fone: 0021 595 (973) 717 064


sábado, 7 de maio de 2011

DIP- DOMINGO DA IGREJA PERSEGUIDA- “Ore por Nós!”

DIP- DOMINGO DA IGREJA PERSEGUIDA- “Ore por Nós!”


Quando você pergunta a um missionário que está a serviço na Obra de Evangelização, qual a sua principal necessidade ou o que podemos fazer para ajudá-lo de forma imediata, a resposta é sempre: “Não deixem de orar por mim!” Eles nunca vão dizer que precisam de itens materiais para continuar seu trabalho e sim que necessitam, a todo o momento, estarem debaixo da proteção divina e da cobertura de oração dos irmãos que como eles fazem parte do Corpo de Cristo nesse mundo.
Eles crêem nos ensinos de Jesus: “Buscai em primeiro lugar o reino de Deus e todas essas coisas vos serão acrescentadas” (Mt 6.33).


No dia 19 de junho, domingo, inúmeras igrejas espalhadas pelo mundo dedicarão uma programação especial durante todo o dia visando conscientizar todos os cristãos sobre as dificuldades que enfrentam muitos irmãos que anunciam o Evangelho da Salvação em Jesus Cristo em países onde a pregação da Palavra de Deus, a Bíblia, é não somente proibida, mas pode levar à prisão e à morte os seus porta-vozes.
Nós, cristãos brasileiros, temos a felicidade e por que não dizer a bênção divina por residir em um país onde, até a presente data, é permitido que a Palavra de Deus e a Salvação em Jesus Cristo sejam anunciadas a todas as pessoas livremente, mas, infelizmente, esse não é o caso de tantos irmãos e irmãs que, ao atenderem o chamado do Senhor, se dispuseram em Suas mãos para levar a mensagem de Salvação aonde a grande maioria de nós não poderia ou até mesmo não gostaria de ir.
São irmãos e irmãs que não temem perder a própria vida para cumprirem o “IDE” de Jesus (Mt 28.16).
Não nos esqueçamos de que a perseguição em alguns lugares não atinge apenas os missionários e suas famílias, mas também e principalmente aos que se convertem. Quando um membro de uma família residente em países islâmicos, budistas, hinduístas ou comunistas entrega sua vida a Jesus, começa a ser perseguido sem tréguas nem piedade. São abandonados por toda a sua família e não poucas vezes são entregues às autoridades policiais para serem torturados até que: neguem sua nova fé e retornem à antiga ou sejam mortos para servirem de exemplo aos que buscam seguir o mesmo caminho e decidam professar, mesmo que às escondidas, a fé  e a Salvação pessoal de suas vidas em Jesus Cristo.
Como não poderia deixar ser, nossa igreja também está engajada há anos nessa luta em favor de nossos irmãos que pertencem à Igreja Perseguida.
Felizmente, os missionários mantidos pela IBRAV (Igreja Batista Renovada Água da Vida) não estão residindo em países onde a perseguição religiosa é tão intensa como nos países islâmicos, budistas, hinduístas ou comunistas, mas nem por isso deixam de ter suas dificuldades para que a Palavra de Deus alcancem os corações.
Muitos deles se deparam com religiões animistas, onde a bruxaria e a feitiçaria são comuns entre a população, por isso necessitam sempre de nossas orações intercessórias para que o Senhor lhes conceda Poder e autoridade para exercerem seus ministérios nessas regiões.
Todos devemos participar ativamente da programação preparada pelos irmãos responsáveis.
Teremos, além de nossas orações, a apresentação de filmes, vídeos e palestras sobre missões e principalmente sobre as atividades da Igreja Perseguida.
Tenho certeza que depois de participarem das atividades do DIP vocês nunca mais serão os mesmos, especialmente no que diz respeito a Missões e Evangelização.
Convocamos principalmente os jovens para se engajarem não apenas nas atividades no dia 18 de junho de 2011, mas para colaborarem continuamente para que a luta enfrentada por esses irmãos espalhados por diversos países não seja vã.
Se a sua Igreja não está cadastrada para participar das atividades do DIP ou nunca ouviu falar sobre o mesmo, sugerimos que conheçam o trabalho desenvolvido pela Missão Portas Abertas (WWW.portasabertas.org.br) acessando o link (http://www.domingodaigrejaperseguida.org.br/)

O que é o Domingo da Igreja Perseguida?
O Domingo da Igreja Perseguida (DIP) foi criado pelo Irmão André, fundador da Portas Abertas, com o objetivo de unir cristãos em torno de um só motivo: nossos irmãos que pagam um alto preço por sua fé.
A data varia de ano em ano, pois é marcada para o domingo seguinte ao de Pentecostes. Esse critério foi adotado porque, no relato bíblico em Atos 4, o início das perseguições aos cristãos acontece logo após a descida do Espírito Santo, com a prisão de Pedro e João. Simbolicamente, pode-se dizer que essa foi a "fundação" da Igreja Perseguida.
Esse dia tem o objetivo de unir as igrejas brasileiras a passar momentos voltados à lembrança dos cristãos perseguidos, já que estes enfrentam muitas dificuldades em nome de sua fé em Cristo. Por isso, convidamos você a organizar este evento e ser um representante da causa da Igreja Perseguida.
Por ser um dia todo separado ao propósito de apresentar a realidade vivida por cerca de 100 milhões de cristãos ao redor do mundo, várias atividades podem ser elaboradas para chamar a atenção dos membros de sua igreja.

Organizadores voluntários mobilizando igrejas para o DIP


Em 2008, 1.719 igrejas brasileiras participaram do DIP. Essa mobilização só foi possível graças à ação de voluntários – pessoas que conhecem a causa da Igreja Perseguida e se prontificam a divulgar, em suas igrejas e comunidades, as necessidades dos nossos irmãos perseguidos.
Em 2009, 4.200 congregações participaram do DIP.
Em 2010 foram quase 3.000 Igrejas participantes. Para 2011, aguardando que mais igrejas estejam à frente desse importante evento de conscientização para os cristãos brasileiros. Até esse momento 2.383 Igrejas já confirmaram a sua participação.
Precisamos de sua ajuda para envolver um número maior de participantes. Até que todas as igrejas brasileiras conheçam a realidade dos cristãos perseguidos, não podemos nos acomodar!

Um dia inteiro de atividades: você escolhe a melhor para sua igreja

Um dia inteiro dedicado à oração e à lembrança desses irmãos que sofrem por sua fé! Irmãos que são exemplo de perseverança e de amor ao nosso Deus. As classes de escola dominical, as reuniões dos departamentos e os cultos desse dia poderão ser inteiramente dedicados ao DIP.
Esta é uma oportunidade para envolver adultos, jovens, adolescentes e crianças da Igreja brasileira com a Igreja Perseguida. E isso é feito por meio da oração e do relato de histórias e variadas situações vividas por nossos irmãos perseguidos.

Em todo o mundo, cerca de 100 milhões de cristãos são perseguidos por conta de sua fé em Cristo. Muitos deles vivem em países em que a religião oficial é o islamismo, o hinduísmo, ou que têm regimes políticos comunistas e nenhuma religião é permitida. Nessas nações, os cristãos são minoria e enfrentam os mais diversos tipos de restrições, desde a perda do emprego, até a morte de familiares.

Entretanto, são poucos os brasileiros que sabem disso. Provavelmente, acredita-se que, por se estar em pleno século XXI, a perseguição não aconteça mais. Porém, não é isso que a Missão Portas Abertas tem acompanhado e, por esse motivo, ela tem a grande tarefa de levar à consciência da Igreja no Brasil essa verdade.

A mídia secular tem, cada vez mais, destacado os fatos da intolerância religiosa contra os cristãos. Jornais como o Diário de S.Paulo e sites como o UOL, publicaram recentemente notícias sobre a perseguição. Por isso, é hora de a Igreja no Brasil tomar conhecimento e agir em favor da parte do Corpo.

Um dos eventos para despertar nas igrejas brasileiras a lembrança desses irmãos perseguidos é o DIP - Domingo da Igreja Perseguida - que foi criado pelo Irmão André, fundador da Portas Abertas, há 21 anos. A data varia de ano para ano, pois é marcada para o domingo seguinte ao de Pentecostes como explicamos acima.

Este ano, o DIP acontecerá em 19 de junhoo. Nesse dia, as igrejas criam atividades de acordo com o tempo permitido pelo pastor. Algumas utilizam todo o domingo, outras parte do dia, ou ainda, parte do culto. O que importa, é que a Igreja brasileira ouça sobre a Igreja Perseguida.
O site www.domingodaigrejaperseguida.org.br contém todas as informações necessárias para realizar o evento, com sugestões e explicação de como se tornar um organizador do DIP.

O organizador é a pessoa responsável pelo evento em sua comunidade. Ele será o representante dos cristãos perseguidos em sua congregação, pois o DIP não pode acontecer sem ele. Ele é fundamental para que as igrejas em todo o país saibam o que os cristãos no mundo têm enfrentado para servir a Cristo.

Você pode ser um desses cristãos como Paulo descreveu em 2 Coríntios 8.4: “Por iniciativa própria eles nos suplicaram insistentemente o privilégio de participar da assistência aos santos", que fazem questão de ajudar aos “santos”. A Igreja Perseguida precisa que você, que sabe que ela existe, divulgue a outros. Ela precisa ser conhecida. Ela precisa que seus irmãos da Igreja Livre intercedam, orem e lembrem deles em suas atividades na igreja.

Converse com seu pastor e seja um organizador. Estamos à sua disposição para ajudá-lo a criar o melhor ambiente dentro do tempo que lhe for permitido. Não fique de fora! Participe da assistência aos nossos irmãos que nos ensinam lições de fé, perseverança e força em meio a tantas adversidades.

A Igreja Perseguida precisa de você.
Faça algo por ela.
Realize o DIP em sua igreja.


Antonio Carlos

domingo, 1 de maio de 2011

Cristãos sendo espancados e queimados vivos na Costa do Marfim



Conflito entre cristãos e muçulmanos coloca Costa do Marfim no foco mundial 
     
COSTA DO MARFIM (*) - A guerra na Líbia e as sublevações populares na Tunísia e no Egito deixaram em segundo plano as crises na outra África, a África Subsaariana, e em particular na Costa do Marfim.
Junto com o Brasil, a Costa do Marfim tem uma característica singular: os dois países são os únicos, dentre os 193 existentes atualmente, que tem um nome tirado de uma antiga mercadoria colonial. Como o Brasil, a Costa do Marfim recebeu seu nome dos portugueses que, até o final do século 16, foram os únicos europeus presentes na região.
Independente desde 1960, quando houve o grande movimento de descolonização francesa na África Subsaariana, a Costa do Marfim sempre manteve laços estreitos com a França, por obra e graça de seu primeiro presidente, Houphouet-Boigny.
Na realidade, Houphouet-Boigny se manteve no posto, de maneira ditatorial, de 1960 até a sua morte, em 1993. Sua imbricação com os interesses políticos e econômicos franceses, que controlam a comercialização do cacau e do café, principal riqueza do país, tornou-se proverbial.
Durante anos, o país foi próspero. Mas, a partir de meados dos anos 1980, a economia estagnou, devido à secas e à queda dos preços do café e do cacau, trazendo problemas sociais, motins militares e tensões étnicas e religiosas. As populações do Norte do país são majoritariamente muçulmanas, enquanto as do Sul são em geral cristãs.
Tropas da ONU mantêm uma paz precária no país desde 2002. Presidente em exercício a partir do ano 2000, Laurent Gbagbo, cristão e com suas bases eleitorais no Sul, enfrentou Alassane Ouattara, muçulmano muito popular no Norte do país, nas presidenciais de setembro e outubro do ano passado.
Conforme a comissão eleitoral independente da Costa do Marfim, Ouattara foi o vencedor das eleições. Apesar de tudo, Gbagbo não cedeu à presidência a Outtara, que também foi reconhecido como vencedor das eleições pela ONU, a União Europeia e os Estados Unidos.
Seguiram-se os conflitos que mergulharam o país em enfrentamentos armados. Nesta semana, o Conselho de Segurança da ONU votou, por unanimidade, sanções contra Gbagbo e sua família, instando a “retirar-se imediatamente” da presidência.
Nos últimos dias, as forças legalistas que apoiam Ouattara tomaram Yamoussoukro, capital constitucional do país, e acentuam o cerco à Abidjan, capital econômica, onde se encontra Gbagbo e seu estado-maior.
O embate entre cristãos e muçulmanos dá uma dimensão internacional à crise na Costa do Marfim. O conjunto da população da África subsaariana compõe-se de 57% de cristãos e 29% de muçulmanos. Mas nos países acima da bacia do Congo, as proporções são mais próximas e as clivagens internas mais nítidas, como na Nigéria e no Sudão, onde surgiram conflitos sangrentos entre as duas comunidades.
Não sabemos quais serão as consequências desse conflito para cristãos e muçulmanos da Costa do Marfim. Dependendo do resultado pode gerar perseguição e segregação de um grupo pelo outro ou mesmo desencadear conflitos político-religiosos em outros países do norte da África e África Subsaariana onde exista essa divisão.
Oremos para que os conflitos não gerem derramamento de sangue e perseguição. Ore para que Deus traga paz e realize Sua vontade nessas áreas afetadas pela violência.
* Este país não se enquadra entre os 50 mais intolerantes ao cristianismo.
Fonte: UOL