segunda-feira, 6 de maio de 2019

JAMI - CARTA MISSIONÁRIOS GINO E TATE – MISSÕES NACIONAIS


CARTAS MISSIONÁRIOS DA JAMI – JUNTA ADMINISTRATIVA DE MISSÕES – DA CBN

CARTA MISSIONÁRIOS GINO E TATE – MISSÕES NACIONAIS

30, abril, 2019

Tudo posso naquele que me fortalece. Apesar disso, vocês fizeram bem em participar de minhas tribulações. Fl. 4:13-14

Caros Companheiros de Jugo,
Saímos da aldeia por 10 dias, nosso colega Marcelo precisava retornar ao nordeste, e nós tínhamos que fazer declaração de Imposto e relatórios, assim viemos para nossa casa em Xinguara. Estamos nos preparando para retornar à aldeia no dia 01 de maio. Aproveitamos  para compartilhar nossas notícias.
Nossas atividades no bimestre
Treinamento de Tradutores de Língua Materna – Continuamos o treinamento do Curso de Tradutores de Língua Materna.  Tinham tantos adolescentes interessados que tivemos que fazer teste, pois não temos espaço ideal para mais que 12 alunos (nem comida, nem pratos etc.). Entã selecionamos 10 novos alunos, e fizemos duas turmas; segunda, quarta e sexta – com os avançados, que já podem ajudar na tradução (fazendo correções, verificações etc.), na terça e quinta ficaram os novos alunos. Contudo, no mês de abril houve tanta chuva, aulas do EJA, que o curso não funcionou como gostaríamos, esperamos continuar os treinamentos no próximo mês de maio.
Textos de Unfolding Word (50 histórias da Bíblia para evangelismo e discipulado). Completamos 41 histórias traduzidas. Iori está completamente recuperado do acidente de moto, então pudemos trabalhar bem, embora não tenhamos trabalhado mais, pois ele é o responsável pela Castanha, e este foi o período de coleta. Muitos dias ele teve que ir nas várias aldeias receber, contabilizar, ensacar e despachar, o que consumiu vários dias.
Revisão e publicação experimental do dicionário –  Na nossa chegada recebemos uma comitiva dos professores pedindo a publicação experimental do dicionário parakanã. Nós temos mais de 7500 entradas no dicionário, que temos corrigido aos poucos; então propusemos fazer uma oficina intensiva com os professores para a correção do dicionário. Foi uma semana intensiva de correção em papel, mais 3 semanas para digitalizar e imprimir tudo. Com a graça de Deus, no dia 19 de abril conseguimos deixar uma cópia do dicionário Parakanã – Português/Português – Parakanã  (glossário é o termo correto) para cada escola parakanã, totalizando 12 cópias distribuídas. Vamos fazer novas impressões em maio.
Curso para Professores Parakanã – A pedido dos professores, a cada 15 dias temos um encontro na ilha, para treinamento de produção de texto em português. Eles estão para fazer um curso de Pedagogia Intercultural, e precisam melhorar a habilidade de escrever em português. Já fizemos 3 encontros e está sendo bem produtivo. É claro que sendo os cursos na nossa casa, nos sentimos perfeitamente confortáveis para fazer muito uso da Bíblia no curso. Aproveitamos cada oportunidade para compartilhar a Palavra de Deus e o seu plano maravilhoso.
Outros acontecimentos
Este foi um período bem diferente na aldeia, tivemos muitos problemas mecânicos (dois geradores de energia, motor de popa 90hp, motor 40hp).  As habilidades do Gino foram colocadas à prova. E graças a Deus um dos geradores voltou a funcionar, isto nos permite puxar água do rio para a nossa casa.
Também tivemos muita chuva neste período, que destruiu inclusive o acesso a aldeia onde temos mais colaboradores. A grande dificuldade, é que não temos qualquer comunicação (rádio) com as aldeias, assim muitas vezes Gino se deslocou debaixo de chuva para buscar os alunos e eles não chegaram ao ponto de encontro.
Doença e morte, o atendimento à saúde está precária também entre os índios; a esposa do Enina, um nosso co-tradutor, adoeceu na aldeia, ficou uns 10 dias sem tratamento e quando foi deslocada para a cidade acabou falecendo, ela tinha uns 22 anos e deixou 4 crianças pequenas. A causa divulgada foi meningite, mas não foi informado o tipo.  Depois da morte dela, houve muito medo de contágio. Este foi um período bem diferente na aldeia, tivemos muitos problemas mecânicos (dois geradores de energia, motor de popa 90hp, motor 40hp).  As habilidades do Gino foram colocadas à prova. E graças a Deus um dos geradores voltou a funcionar, isto nos permite puxar água do rio para a nossa casa.
Também tivemos muita chuva neste período, que destruiu inclusive o acesso a aldeia onde temos mais colaboradores. A grande dificuldade, é que não temos qualquer comunicação (rádio) com as aldeias, assim muitas vezes Gino se deslocou debaixo de chuva para buscar os alunos e eles não chegaram ao ponto de encontro.
Doença e morte, o atendimento à saúde está precária também entre os índios; a esposa do Enina, um nosso co-tradutor, adoeceu na aldeia, ficou uns 10 dias sem tratamento e quando foi deslocada para a cidade acabou falecendo, ela tinha uns 22 anos e deixou 4 crianças pequenas. A causa divulgada foi meningite, mas não foi informado o tipo.  Depois da morte dela, houve muito medo de contágio.
Tempo de aprender…sempre!
Este foi um tempo muito especial de orarmos e dependermos mais dos milagres do mestre. Quando os dois motores de energia pifaram e Gino tentou tudo o que podia para consertá-los, nós nos vimos bem ‘apurados’, há muitos anos não carregamos água, para lavar louças, roupas etc, usamos a água do rio que é bombeada com energia de gerador. De repente pensamos que Gino teria que fazer isto diariamente. Por uma noite simplesmente oramos, e no dia seguinte, Gino resolveu dar mais uma olhada em um dos geradores e conseguiu resolver o problema.
Pode não ser muito óbvio, mas foi o milagre que precisávamos. E como temos aprendido a louvá-lo pelos milagres cotidianos.
Também acompanhar de longe as necessidades e decisões dos filhos, não é fácil. A comunicação por telefone foi muito difícil (só o orelhão da aldeia mais distante funcionou; se não tivesse muita chuva, para carregar as baterias solares), mas foi abençoador saber da ida do David e Késia para o campo missionário; não foi fácil, mas de novo, pela oração pudemos ver portas abertas.
Tempo de louvar e suplicar
Louvamos muito a Deus pela nossa casa em Xinguara, lugar de renovar as forças.  Pela nossa saúde, ficamos dois meses sem que nenhum de nós adoecesse. Pelo trabalho e dicionário feito.
Com a eleição do Bolsonaro, tem muita instabilidade política em relação aos indígenas. Os Parakanã têm saído muito das aldeias para participar de reuniões e manifestações que são legítimas, mas dificultam muito o cronograma do trabalho de tradução, e a continuidade dos treinamentos. Além disso eles ficam ainda mais expostos a prostituição, alcoolismo e violência.
Outro problema que se agravou foi a questão da terra indígena Apyterewa; mais posseiros e garimpeiros estão invadindo a terra e alguns líderes indígenas estão sendo corrompidos. Por pouco não houve morte, quando eles apreenderam 5 balsas de garimpo na área indígena. Orem pelos nossos indígenas e para Deus nos dar sabedoria para lidar nesta situação.
Em Cristo, Miss. Gino e Tate
ginotate@hotmail.com


Nenhum comentário:

Postar um comentário